Siga a gente:

© 2017 Designed by Silvia Montoya - www.silviamontoya.com 

  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon
  • White Twitter Icon
  • Icons-Email-White

Um viva a William Moulton Marston

 

Criação de Mulher Maravilha para a DC Comics

 

Marston estava envolvido com os primeiros movimentos pelos direitos das mulheres, incluindo questões de votação, o controle da natalidade e igualdade na carreira.

 

Com isto em mente, não é nenhuma surpresa que William Marston foi o psicólogo que criou a Mulher Maravilha para a DC Comics.

 

Ele sentiu que as mulheres precisavam de um símbolo de poder em tal tempo de mudança nos direitos das mulheres. Ele disse: “nem mesmo as garotas querem ser garotas, enquanto ao nosso arquétipo feminino faltar força, coragem e poder” (…).

 

A solução óbvia é criar um personagem feminino com toda a força do Superman além de todo o fascínio de uma mulher boa e bela”. Marston via a Princesa Diana como “a propaganda psicológica para o novo tipo de mulher que deverá governar o mundo.”

 

 

Criada em 1941 por um adepto do amor livre, a amazona começou na Liga da Justiça como secretária, perdeu seus poderes e foi resgatada por feministas. No seu primeiro filme solo lançado em 2017, ela voltou para o caldeirão cultural de onde nasceu: a mitologia grega.

 

 

Tomara-que-caia vermelho, shortinho azul com estrelas brancas, botas vermelhas de cano alto e braceletes metálicos: quando pensamos na Mulher-Maravilha, essa é a imagem que vem à cabeça (encarnada e eternizada pela Lynda Carter, aí em cima).

 

Mas ela é bem mais do que um uniforme icônico. Diana – o nome de batismo da senhora Maravilha – foi uma das primeiras heroínas das HQs, representou as mulheres que entravam no mercado de trabalho durante a Segunda Guerra Mundial e, 75 anos depois, continua sendo uma das personagens mais famosas e respeitadas da DC Comics.

 

Origem na guerra
 

Os EUA viveram uma forte onda nacionalista durante a Segunda Guerra Mundial – basicamente toda a população entendia que Hitler era mesmo um inimigo a ser combatido com sangue, suor e lágrimas.

 

Ao mesmo tempo, quando os homens foram guerrear, as mulheres é que tiveram de arregaçar as mangas e trabalhar para sustentar suas casas. Foi nesse contexto de nacionalismo somado a emancipação feminina que, em 1941, nasceu a Mulher-Maravilha.

 

Ela tinha tudo: era uma mulher forte, poderosa, bonita – e, de quebra, estava vestida com as cores da bandeira dos EUA, com uma águia careca, o símbolo do país, estampada no peito. No início, Diana até ajudava Trevor a lutar contra nazistas.

 

A história do criador da heroína, William Moulton Marston, é tão interessante quanto a dela: psicólogo, ele ajudou a criar o detector de mentiras, defendia a igualdade de gêneros e era liberal em relação ao sexo – inclusive, vivia um relacionamento poliamoroso com sua esposa, Elizabeth, e uma outra mulher chamada Olive Byrne, que vivia usando mas pulseiras metálicas (tudo isso nos conservadoríssimos anos 40).

 

William fazia parte do time que originou a DC comics, e foi convidado para criar seu próprio super herói. Por pressão da esposa, acabou inventando uma heroína mulher, inspirando-se em Elizabeth e em Olive. O detector de mentiras, então, virou o “laço da verdade”, os braceletes de Olive se tornaram os protetores de Diana, e a força de Elizabeth foi herdada pela amazona. Detalhe: no começo, a Mulher-Maravilha tinha uma série de referências ao sadomasoquismo – o que, junto com a pouca roupa, a estigmatizou por um tempo como um quadrinho “indecente”.

 

 
Sem poderes

 

Nos anos 60, o movimento feminista estava começando a decolar nos Estados Unidos, mas isso não impediu a Mulher-Maravilha de perder todos os seus poderes. É isso aí: nessa época, Diana acaba desistindo de seus superpoderes, para de usar o uniforme icônico, abre uma boutique de roupas e começa a treinar artes marciais com um mestre chinês.

 

O retorno
 

Em 1972, a ativista feminista Gloria Steinem, fundadora da revista Ms., achava um absurdo que a heroína mulher mais famosa tivesse perdido os poderes. Em sua revista, ela começou a fazer pressão para que a Mulher-Maravilha voltasse a ser uma super-heroína de fato, o que acabou rolando em janeiro de 1973.

 

 

 

 

Fonte: revista Super Interessante e Psicoativo.com

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags